segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Até o outro lado do rio

Entrei em canoa furada, com pessoa errada e sem salva-vidas
Ainda não afundei
Mas no fundo eu sei que não vou me salvar
E bate aquela incerteza se arrisco ou se não
E se tenho razão
Ou é porque eu sou sempre assim, sempre fujo de mim e não quero voltar
Pra tentar escapar dos meus contos de fada
Eu ouço calada e me sinto cansada
Vejo-me sem respostas pras suas propostas que não eram as que eu sonhei
E então parei...
Com minhas idéias infantis, agora tento ser atriz e interpretar papéis
Pra ver se me encaixo nesse mundo imundo
Prefiro o lado da razão
Porque confesso...
Cansei de viver de ilusão!